Ficou em dúvida sobre uma mensagem de aplicativo ou postagem em rede social? Encaminhe para o MonitoR7, que nós checamos para você (11) 9 9240-7777

MonitoR7 Cada máscara custou R$ 9 mil em compra do governo da Paraíba?

Cada máscara custou R$ 9 mil em compra do governo da Paraíba?

Acusação circula nas redes sociais e foi compartilhada até por deputado estadual

  • MonitoR7 | Do R7

Reprodução / Pixabay

Uma imagem retirada do Portal da Transparência do governo da Paraíba está gerando uma série de publicações com denúncias de superfaturamento. Trata-se de um contrato para compra de três mil máscaras para proteção facial com valor total de R$ 28 milhões. O custo de cada máscara, neste caso, seria de R$ 9 mil.

Um vídeo que vem sendo compartilhado em grupos de troca de mensagens detalha o contrato e compara com o preço da máscara no comércio local, que pode chegar a um real por unidade, no atacado. Outra publicação sobre o assunto, com grande repercussão, foi o tuíte do  deputado estadual Cabo Gilberto Silva (PSL).

Na imagem usadas nas publicações é possível verificar que se trata de um processo licitatório do fim de março deste ano, para a compra de três mil máscaras por R$28 milhões, para a campanha educativa do "Maio Amarelo”, promovida pelo Detran da Paraíba. 

Ao se pesquisar atualmente pelos dados do processo que constam na imagem(Processo Licitatório Nº 26.201.002582.2021 – Pregão nº: 0008/202), no Portal de Transparência do Estado da Paraíba as informações são diferentes. Os valores são muito inferiores aos divulgados nas redes sociais.

O valor total do contrato consta como sendo de R$ 9,6 mil(e não o valor unitário). Assim, considerando que a compra foi de três mil máscaras, o custo unitário foi, na realidade, de R$ 3,20. Compatível com preços de mercado na época da compra.

Consultado, o governo da Paraíba explicou que houve um equívoco na época, na inserção dos dados do contrato no Portal da Transparência. Em nota, a Controladoria-Geral do Estado (CGE) disse que houve um erro de digitação e que a correção foi providenciada tão logo ele foi identificado. A Controladoria indica que foi falha humana.

O curioso é que a correção desse erro só foi feita no último dia 13 de novembro. Quase oito meses depois do processo licitatório. E exatamente um dia antes da postagem sobre o assunto feita pelo deputado estadual. Tentamos contatar o deputado através de suas redes sociais e  diversos e-mails ligados a ele, disponíveis na Assembléia Legislativa da Paraíba, mas  não recebemos resposta.

Ficou em dúvida sobre uma mensagem de aplicativo ou postagem em rede social? Encaminhe para o MonitoR7, que nós checamos para você (11) 9 9240-7777

Arte R7

Últimas