Ficou em dúvida sobre uma mensagem de aplicativo ou postagem em rede social? Encaminhe para o MonitoR7, que nós checamos para você (11) 9 9240-7777

MonitoR7 É falso vídeo que mostra fogueiras em parreiral de Bento Gonçalves

É falso vídeo que mostra fogueiras em parreiral de Bento Gonçalves

Técnica é usada na França para evitar a perda do fruto nas baixas temperaturas e assim garantir a colheita também no inverno

  • MonitoR7 | Luciana Mastrorosa e Joyce Ribeiro, do R7

Fogueiras tentam evitar congelamento das uvas

Fogueiras tentam evitar congelamento das uvas

Reprodução

Um vídeo que mostra fogueiras acesas em um campo montanhoso de plantação de uvas durante à noite em Bento Gonçalves, no Rio Grande do Sul, é falso. As imagens viralizaram nas redes sociais, mas são, na verdade, de outra localidade: em Chablis, na França.

A técnica é usada para evitar o congelamento da uva e a perda da fruta nas baixas temperaturas e, assim, garantir a colheita também no inverno.

Chablis é a região ao norte da área vinícula de Borgonha-Franco-Condado, no departamento de Yonne.

Com o avanço de uma massa de ar polar intensa no Brasil, as regiões sul e sudeste estão em alerta. As temperaturas em áreas serranas estão negativas, o que prejudica as plantações e cultivos agrícolas. 

No entanto, segundo Luciana Salton, diretora executiva da vinícola Salton, instalada em Bento Gonçalves, na Serra Gaúcha, as videiras estão em dormência agora e a baixa temperatura não preocupa. "Pode nevar até. O problema é quando temos frutos. Daí sim, uma geada é muito preocupante", explicou.

Frio até ajuda

Maurício Copat, responsável pela vitivinicultura da marca, acrescenta que "no momento, por estarmos em período de dormência, os vinhedos estão sendo podados. O frio é necessário para conseguirmos uma boa brotação e uma plena produção".

Dessa forma, como explica o profissional, as temperaturas entre 0 e -1ºC, não são prejudiciais para os vinhedos a ponto de resultar na morte de plantas. Pelo contrário: nesse caso, o frio não só ajuda como é necessário. "Caso ocorressem temperaturas extremas, aí sim poderíamos ter alguns problemas de morte de plantas, mesmo com os vinhedos em período de dormência", diz Maurício.

Como afirmou Luciana, o problema maior são as geadas tardias, de setembro em diante. "Nessa situação, as temperaturas de zero graus são prejudiciais e suficientes para a perda de produção", complementa Maurício.

Para contornar a situação, a partir de setembro podem ser usados métodos de combate à geada nas regiões mais frias. "Esses métodos são principalmente uso de fogo e de irrigação em aspersão", explica o especialista.

Veja o vídeo que circula nas redes sociais:

Comparando os dois vídeos é possível ver que as imagens foram gravadas no mesmo local.

Assista ao vídeo original gravado em Chablis:

Últimas