Ficou em dúvida sobre uma mensagem de aplicativo ou postagem em rede social? Encaminhe para o MonitoR7, que nós checamos para você (11) 9 9240-7777

MonitoR7 Falso: aparição de ‘peixe do fim do mundo’ não tem relação com terremotos

Falso: aparição de ‘peixe do fim do mundo’ não tem relação com terremotos

Teoria popular afirma que a pesca de um peixe-remo é sinal de que um desastre natural ocorrerá em breve

  • MonitoR7 | Gabriel Herbelha, do R7*

O exemplar do 'peixe do fim do mundo' foi pescado em Arica, no norte do Chile, no início de julho

O exemplar do 'peixe do fim do mundo' foi pescado em Arica, no norte do Chile, no início de julho

Reprodução/Twitter/@JeannetteQuim

A captura de um peixe de quase 6 m de comprimento no Chile causou pavor nas redes sociais. Isso porque o animal, apelidado de "peixe do fim do mundo", tem má fama: segundo o folclore, toda vez que o animal é encontrado na superfície, seria um sinal de que um desastre natural vai acontecer em breve na região.

O peixe-remo, também conhecido como regaleco, é conhecido por habitar as profundezas marinhas, entre 200 e 1.000 metros de profundidade, e também chama atenção pelo seu comprimento, que pode chegar a 11 metros.

As lendas que envolvem esse peixe ganharam ainda mais força após os eventos em Fukushima, no Japão, em 2011, quando um terremoto seguido de um tsunami matou mais de 20 mil pessoas e destruiu a cidade.

Alguns meses antes do desastre, dezenas de peixes-remos foram vistos na costa japonesa, o que contribuiu para a crença.

No entanto, a lenda do "peixe do fim do mundo" é datada do século 18, quando foi publicada em uma seleção de contos estranhos no Japão, em 1743.

Todas as vezes que há registro da espécie ao redor do mundo, cria-se um sentimento de que o pior está por vir naquela região.

Apesar dos boatos, não há nenhuma confirmação científica da correlação entre o aparecimento desse peixe com a iminência de um desastre natural.

Em 2019, um estudo realizado por pesquisadores japoneses e publicado no Boletim da Sociedade Sismológica da América confirmou não haver relação entre as duas coisas.

Os pesquisadores separaram 336 casos de aparecimento do peixe-remo e do peixe-fita (Trichiurus lepturus, também envolvido na crença de anteceder desastres) entre 1928 e 2011. Em  todos os casos analisados, exemplares das duas espécies foram pescados ou encontrados na praia.

A partir dai, a equipe passou a procurar evidências de terremotos de 6 pontos de magnitude  que teriam acontecido em um raio de até 100 km de onde os peixes foram encontrados.

Nessa pesquisa, foi achada apenas uma correlação. O terremoto ocorreu na região de Chūetsu, no Japão, em julho de 2007. Nesse evento, 11 pessoas morreram e milhares ficaram feridas.

Orihara Yoshiaki, professor-assistente da Universidade de Tōkai, que liderou o estudo, disse que a equipe ficou frustrada ao chegar à conclusão da pesquisa:

"Ficamos desapontados, no início, pensávamos ter correlação, o que nos deu esperança. Mas após examinar os dados, ficou provado que não há nenhuma relação”, afirmou Orihara.

“Devo pontuar que o estudo só incluiu datas e localizações conhecidas, e que qualquer nova informação terá de ser adicionada à nossa base de dados. No entanto, eu duvido que casos adicionais tenham consequência diferente dos resultados consolidados”, completa.

*Estagiário do R7, sob supervisão de Filipe Siqueira

Ficou em dúvida sobre uma mensagem de aplicativo ou postagem em rede social? Encaminhe a questão para o MonitoR7 que nós a checaremos para você: (11) 9 9240 7777 ou monitor@recordtv.com.br

Últimas