Ficou em dúvida sobre uma mensagem de aplicativo ou postagem em rede social? Encaminhe para o MonitoR7, que nós checamos para você (11) 9 9240-7777

MonitoR7 Falso: não há provas de que o Bayern de Munique apoiou o regime nazista

Falso: não há provas de que o Bayern de Munique apoiou o regime nazista

Durante a 2ª Guerra Mundial, time teria sido obrigado a usar suástica no escudo; fotos, no entanto, não aparecem no site do clube, que, aparentemente, sempre resistiu às ideias de Adolf Hitler

  • MonitoR7 | Gabriel Herbelha, do R7

Bayern foi obrigado a usar suástica em escudo

Bayern foi obrigado a usar suástica em escudo

Reprodução

“Nunca pergunte ao Bayern qual era seu escudo em 1938.” Essa frase está em diversas publicações nas redes sociais e tentam associar o maior clube de futebol alemão, o Bayern de Munique, a um dos movimentos mais perversos que existiram na primeira metade do século 20, o nazismo.

Uma imagem que expõe a evolução dos símbolos adotados pelo Bayern mostra que, entre 1938 e 1945, durante o 3º Reich, o clube teria usado a suástica nazista.

Existem pouquíssimos registros de partidas de futebol em território alemão durante esse período, que coincide com o da 2ª Guerra Mundial. Todas as competições disputadas eram amadoras, porque o regime nazista baniu o futebol profissional.

Por causa disso, é difícil achar explicações concretas sobre o motivo de o time alemão ter aderido à suástica. O motivo mais plausível é que o regime obrigou o clube a adotá-lo.

Oficialmente, o clube não considera o escudo com a suástica como parte de sua história. 

Camisa vendida no site oficial do Bayern mostra a evolução dos escudos ao longo da história

Camisa vendida no site oficial do Bayern mostra a evolução dos escudos ao longo da história

Reprodução/ Site oficial do Bayern de Munique

Na camisa, assim como em outras publicações oficiais, é mostrado que o Bayern mudou o escudo em 1924 e 1954, sem nenhuma menção ao período nazista.

Bayern teve presidente judeu durante o regime e resistiu à perseguição nazista

Já no início da sua história, em 1900, 2 dos 17 fundadores do clube eram judeus.

Em 1933, os rumos do Bayern, campeão alemão no ano anterior, começaram a mudar. Com a chegada do Partido Nazista ao poder na Alemanha, o clube, comandado pelo presidente Kurt Landauer, um judeu, começou a sofrer sanções.

O Bayern passou a ser considerado um Judenklub, denominação antissemita aplicada para agremiações esportivas que tinham conexões judaicas, como era o caso.

O presidente foi obrigado a deixar o cargo e, em 1938, foi preso e levado ao campo de concentração de Dachau, onde permaneceu por dois meses. Ele conseguiu fugir para a Suíça após uma liberação temporária do local e só voltou ao país no fim da 2ª Guerra.

Durante esse período, o Bayern, que era o melhor clube de futebol do país, voltou a ser amador, passou longe de vencer os campeonatos de que participava e foi obrigado a ceder jogadores ao Exército alemão durante a guerra devido ao alistamento obrigatório.

Segundo registros do clube, 56 pessoas ligadas ao clube foram mortas em campos de batalha da 2ª Guerra.

Um episódio marcante que mostra a resistência do clube contra o regime aconteceu em 1942, quando o então capitão da equipe, Conny Heidkamp, escondeu troféus conquistados pelo Bayern para que eles não fossem derretidos pelo governo alemão, que precisava de dinheiro para bancar os altos custos das batalhas.

O seu rival da mesma cidade, Munique 1860, no entanto, foi financiado pelo Partido Nazista e, em melhores condições, conquistou títulos e foi usado como propaganda pelo regime.

Após os tempos sombrios do nazismo, Landauer voltou à presidência do clube, o Bayern se tornou um gigante europeu e, nos dias atuais, faz questão de mostrar suas raízes judaicas e destacar todos esses momentos em suas instalações e em publicações oficiais.

Ficou em dúvida sobre uma informação, mensagem de aplicativo ou postagem em rede social? Encaminhe a questão para o MonitoR7 que nós a checaremos para você: (11) 99240-7777 ou monitor@recordtv.com.br.

* Estagiário do R7, com edição de texto de Marcos Rogério Lopes

Últimas