Ficou em dúvida sobre uma mensagem de aplicativo ou postagem em rede social? Encaminhe para o MonitoR7, que nós checamos para você (11) 9 9240-7777

MonitoR7 Forte tiroteio, capotamento e corpos jogados ao ar: guerra na Ucrânia?

Forte tiroteio, capotamento e corpos jogados ao ar: guerra na Ucrânia?

Um vídeo impressionante de tiroteio, capotamento de veículo militar e corpos sendo lançados ao ar está aparecendo em publicações e sendo compartilhado em mensagens

  • MonitoR7 | Do R7

Soldado ucraniano caminha na cidade de Schastia, perto de Lugansk, no leste da Ucrânia

Soldado ucraniano caminha na cidade de Schastia, perto de Lugansk, no leste da Ucrânia

Aris Messinis/AFP - 22.02.2022

Desde o ataque russo aos territórios da Ucrânia, centenas de imagens surgem nas redes sociais e as publicações afirmam que os vídeos e fotos são desse conflito. Um desses vídeos chegou ao MonitoR7 para um pedido de checagem feito por um leitor, por meio do número disponibilizado para contato. 

O vídeo tem imagens de um soldado fortemente armado, localizado em um ponto alto. Pelo áudio, ele está disparando muitos tiros. Na rua, abaixo dele, surge um carro, que capota. Várias pessoas aparecem pulando ou sendo jogadas do veículo. Corpos rolam no chão. Durante todo o tempo, os tiros continuam, de forma ininterrupta.

O soldado (e talvez outros junto dele) atira naqueles que ainda se movimentam. Uma pessoa aparece correndo para longe da rua e passa a ser o alvo dos tiros. É possível acompanhar o trajeto que ela faz, através da poeira levantada pelos tiros, no chão de terra. Aparece a mão de uma pessoa, que grita durante toda a gravação, enquanto aponta para os alvos.

De acordo com o pedido do nosso leitor, "estão postando esse vídeo como se fosse na Ucrânia, agora". A desconfiança do leitor tinha motivo. Trata-se de um vídeo feito na Líbia, em 2020. O vídeo retrata tiroteio durante a guerra civil que acontece há anos em território líbio, com envolvimento de Rússia e Turquia.

A Líbia possui um Governo de Acordo Nacional (GNA, na sigla em inglês), reconhecido internacionalmente e apoiado pelas Nações Unidas (ONU). Porém, o militar Khalifa Haftar faz oposição a esse governo e, inclusive, já tentou dar um golpe de Estado na Líbia. Haftar, junto de seu Exército Nacional Líbio (ENL), invadiu a cidade de Trípoli, no leste do país, em 2020.

Assim se instaurou o conflito. De um lado, o exército da GNA e, do outro, os grupos armados de Haftar. A GNA, apoiada pela Turquia, e o ENL, pela Rússia, Egito e Emirados Árabes Unidos. Um tuíte feito em junho afirma que o exército de Haftar estava perdendo para os ataques da GNA. Na publicação é possível ver o vídeo em checagem. "As forças de #Haftar estão perdendo uma batalha após a outra. Aqui uma cena gráfica sobre o GNA emboscando as forças de Haftar", diz a publicação.

Confira a postagem:

Outra publicação também afirma que o vídeo é de uma emboscada da GNA contra o exército de Haftar. "Intenso, rápido e mortal", afirma o tuíte. Confira:

Além disso, um ponto do vídeo é bastante relevante. O sol intenso. No Hemisfério Norte, onde ficam Ucrânia e Rússia, atualmente é inverno. Nessa estação do ano, faz muito frio, com registro frequente até de temperaturas negativas. Na Ucrânia, por exemplo, nas últimas duas semanas, as temperaturas têm oscilado na casa de 0ºC.

O cenário mais comum no inverno ucraniano é de neve e gelo. Logo, o vídeo checado não poderia ser registrado nesses territórios atualmente, já que o tiroteio gravado acontece em um dia bastante ensolarado.

Portanto, é falso que esse vídeo seja dos conflitos atuais entre Ucrânia e Rússia. Na realidade, o vídeo foi feito na Líbia, em 2020, durante a guerra civil naquele país. Além disso, o clima ajuda a desmantelar a ideia de que as imagens são da guerra no Leste Europeu. 

Ficou em dúvida sobre uma mensagem de aplicativo ou postagem em rede social? Encaminhe-a para o MonitoR7 que nós checamos para você (11) 99240-7777.

É falso que estas imagens de tiroteio e explosões tenham sido registradas na Ucrânia

É falso que estas imagens de tiroteio e explosões tenham sido registradas na Ucrânia

Reprodução/Arte R7

Últimas