Ficou em dúvida sobre uma mensagem de aplicativo ou postagem em rede social? Encaminhe para o MonitoR7, que nós checamos para você (11) 9 9240-7777

MonitoR7 No dia 1º de abril, 7 dicas para não ser vítima de notícias mentirosas

No dia 1º de abril, 7 dicas para não ser vítima de notícias mentirosas

Erros de português e imagens ruins são bons indícios de fake news; também é importante checar origem da nota e desconfiar de excesso de adjetivos e exageros

  • MonitoR7 | Ana Luiza Pêgo*, do R7

Vá além do título e veja se o texto faz sentido

Vá além do título e veja se o texto faz sentido

Freepik

Nos últimos anos, as notícias falsas tomaram as redes sociais e, agora, se espalham na internet com muita facilidade.

O fenômeno das fake news tem dificultado a experiência dos usuários da web, afinal, como saber o que é ou não verdade? Em quem confiar? Como descobrir se as informações são reais?

Por isso, o MonitoR7 reuniu algumas orientações básicas para que o leitor possa descobrir sozinho se uma notícia é ou não confiável. 

1 - Cheque a fonte e os especialistas citados na postagem

Um dos métodos mais importantes para verificar se uma notícia é verdadeira é checar quem está dizendo aquilo. Quem é a fonte de informação. É fundamental que a notícia tenha sido investigada por um veículo com credibilidade.

Então, se você se deparar com uma história de uma fonte da qual nunca ouviu falar, pesquise um pouco mais e tente encontrar a mesma notícia, mas em um veículo confiável.

Os especialistas citados também precisam ser checados.

Tendo o veículo de comunicação e o profissional como fontes seguras, a probabilidade de a história publicada ser verdadeira é maior. Uma notícia confiável incluirá citações de especialistas, dados de pesquisas e estatísticas oficiais, por exemplo. Ou relatos de testemunhas detalhados, consistentes e corroborados por outras pessoas.

As evidências provam que algo definitivamente aconteceu? Ou os fatos foram selecionados ou distorcidos para apoiar um ponto de vista específico? Faça-se essa pergunta e investigue.

2 - Confira a data de publicação 

Notícias podem ter data de validade. Uma informação podia, sim, ser verdadeira há dez anos, porém, hoje, não é mais. Assim, é importante buscar sempre a versão mais recente do fato. 

3 - Dupla checagem: examine as evidências apresentadas e busque a primeira pessoa que disse o que é informado

Nem sempre os documentos disponíveis nas publicações e mensagens são realmente verdadeiros ou têm relação com o assunto. Por isso, é importante encontrar a origem dos arquivos e examinar com cuidado o que está sendo dito. Esteja ciente de que as pessoas que espalham notícias falsas e "fatos alternativos" às vezes criam páginas da web, maquetes de jornais ou imagens manipuladas que parecem oficiais, mas não são. 

Chegar às fontes primárias nem sempre é um caminho simples, porém a dica do MonitoR7 é sempre buscar a informação nos meios de comunicação oficiais da organização envolvida. Muitas vezes o documento original é disponibilizado online, o que torna a checagem mais rápida. Então, se você vir um post suspeito que parece ser da OMS (Organização Mundial da Saúde), por exemplo, verifique no site do órgão se essa notícia aparece lá.

Também ponto relevante é buscar outros meios de comunicação que estejam publicando as mesmas informações. Se uma notícia foi dada por apenas um veículo, desconfie. 

4 - Entenda a diferença entre opinião e notícia e desconfie de posicionamentos radicais

Na maioria das vezes, uma notícia falsa tende a exagerar ou distorcer fatos na tentativa de viralizar entre determinado público. Uma nota verdadeira, por sua vez, vai apresentar todo o contexto e informações sobre o assunto, sem tentar alterar a realidade.

Você pode concordar com as opiniões apresentadas, ou elas podem contextualizar os fatos de uma forma que faça sentido. No entanto, tente analisar se o post está dizendo apenas o que interessa aos seus objetivos, o de atacar um adversário ou exagerar informações. Por isso, pense por si mesmo: como o outro lado poderia apresentar esses mesmos fatos?

5 - Muitos adjetivos são típicos de fake news

Uma dica é ficar atento à linguagem utilizada. Muitos adjetivos podem sugerir que a informação não é verdadeira. Outro indicativo pode ser o uso de termos exagerados, já que esse é um tipo de linguajar pouco usado nos veículos confiáveis.

6 - Leia a matéria completa e não somente o título

Muitas vezes somente o título pode deixar dúvidas ou não responder completamente às alegações feitas sobre o assunto, logo, para entender o contexo de certas notícias, é essencial ler a reportagem por inteiro. Mesmo que o veredicto já tenha aparecido no começo da matéria, as explicações são mostradas no decorrer do texto e por isso é tão importante ler tudo que foi publicado.

7 - Desconfie de matérias vagas, com imagens suspeitas, com poucas informações e/ou erros de português

Notícias com pouca profundidade e dados soltos, fora de contexto, são características comuns das fake news. Uma matéria bem apurada, com informações verdadeiras e publicada por um veículo confiável raramente vai ter erros absurdos. Nomes de instituições e/ou especialistas devem estar corretos também. Caso você identifique alguma dessas coisas, é possível que aquilo que está sendo dito seja mentira.

Imagens também podem espalhar desinformação. Ferramentas de edição tornaram fácil a criação de fotos falsas.

Alguns sinais podem revelar armações. Sombras estranhas, por exemplo, ou bordas irregulares ao redor de uma figura são exemplos disso. As fotos também podem ser 100% precisas, mas usadas no contexto errado. Por exemplo, imagens de enormes quantidades de lixo cobrindo uma praia podem ser de um local diferente do noticiado ou então antigas, de dez anos atrás, e não do suposto evento recente denunciado.

Mas, se nada der certo, ...

undefined

... procure o MonitoR7.

Mesmo com todas essas dicas, é possível que restem dúvidas sobre as informações checadas ou que o resultado das pesquisas não tenha sido conclusivo.

Se for esse o caso, encaminhe as informações para o número (11) 99240 7777, nosso contato no WhatsApp, que nós checamos para você .

* Estagiária do R7, sob supervisão de Marcos Rogério Lopes

Últimas