MonitoR7 Vacinas contra Covid-19 causaram morte de 45 mil pessoas no Havaí?

Vacinas contra Covid-19 causaram morte de 45 mil pessoas no Havaí?

Informação está no título de mensagem que nosso leitor recebeu e nos enviou para verificação

Fake news disseminada no WhatsApp dizia que 45 mil pessoas morreram em decorrência da vacina contra a Covid no Havaí

Fake news disseminada no WhatsApp dizia que 45 mil pessoas morreram em decorrência da vacina contra a Covid no Havaí

Jorge Duenes/Reuters

Recebemos de um de nossos leitores o pedido de checagem de uma mensagem que está circulando em grupos de WhatsApp. No seu título, a mensagem afirma que 45 mil pessoas morreram em 72 horas no Havaí, nos Estados Unidos, após receberem a vacina contra a Covid-19. 

Em seguida, o texto afirma que Michael Green, que seria "procurador no Havaí", declarou que a vacina matou 45 mil pessoas e que ele teria entrado com uma ação coletiva contra os mandados de vacinação do governador do estado.

O texto segue, descrevendo o conteúdo de um vídeo, cujo link está no final da mensagem. O vídeo é de uma entrevista coletiva com o citado Michael Green e outros personagens. O vídeo está publicado na plataforma de distribuição Rumble.

Michael Green é, na verdade, um advogado, que representa mais de 1.200 funcionários públicos que recusam a obrigatoriedade da vacinação no estado do Havaí. Na entrevista, ele fala que “segundo testes de médicos ao redor do país”, 45 mil pessoas morreram nos Estados Unidos em decorrência das vacinas. Ou seja, já não se trata só do Havaí. O dado seria referente de todos os Estados Unidos. Mas essa informação, sobre o Havaí ou sobre os Estados Unidos, é falsa.

O número de 45 mil mortos em decorrência da vacinação contra Covid-19 nos Estados Unidos surgiu de publicação de um grupo chamado America's Frontiline Doctors, conhecido por divulgar informações falsas e enganosas. O dado teria sido obtido de um site oficial, que recolhe informações sobre efeitos adversos da vacinação, para checagem posterior. E que está aberto para que qualquer pessoa poste qualquer informação. Ou seja, as informações que estão ali ainda não foram confirmadas.

Além disso, na mensagem são compartilhadas outras informações falsas, já desmentidas pela  FDA(agência federal que regula medicamentos nos Estados Unidos), como  a recomendação ao uso da Ivermectina, que é ineficaz contra a Covid-19; e também de que pessoas assintomáticas não transmitiriam a doença, já desmentido pela Organização Mundial de Saúde (OMS).

Segundo levantamento do jornal "The New York Times", desde o início da pandemia até o último domingo(22), 561 pessoas morreram em decorrência da Covid-19 no estado do Havaí. O número  divulgado no título da mensagem, portanto, é cerca de 80 vezes maior que o real. 

O Havaí tem 54% da população completamente vacinada, porcentagem maior do que a média dos Estados Unidos. E é o estado americano com a menor média de mortes per capita, com 39 óbitos a cada 100 mil habitantes.

Nos Estados Unidos houve um forte avanço da vacinação contra Covid-19 no primeiro semestre, que derrubou os números da doença. Depois, com a redução no ritmo de imunização, o país passou a ter uma “pandemia entre não vacinados”, com aumento no número de casos, impulsionado pela variante Delta.

Anthony Fauci, médico imunologista que trabalha na Casa Branca, revelou que 99% das mortes por coronavírus no país são de não vacinados. Em julho deste ano, a diretoria do Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA(CDC), Rochelle Walensky, revelou que 97% das pessoas hospitalizadas no país não estavam vacinadas. Um dado alarmante, que demonstra a importância de se imunizar contra a Covid.

Mensagem trazia informações falsas sobre a vacinação contra a Covid-19 nos Estados Unidos

Mensagem trazia informações falsas sobre a vacinação contra a Covid-19 nos Estados Unidos

Reprodução/ Artes: R7

Últimas